No planalto sobranceiro ao vale do rio de Mouros, em terras férteis e largamente irrigadas por linhas de água, nascia o humilde povoado de Condeixa, aproveitando as ruínas da vila romana de Conimbriga.

No século XI, as terras de Condeixa foram doadas ao Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, que assumiu a responsabilidade da sua colonização e arroteamento. Terá sido nessa altura que os frades crúzios fundaram Condeixa. No entanto, é apenas em agosto de 1219, que surge o topónimo de Condeixa-a-Nova. No século XIII seria um pequeno lugar, com uma área não superior a 800 metros quadrados.

O Padre António Carvalho da Costa afirma que a origem de Condeixa-a-Nova se encontra num pequeno casario chamado Outeiro.

Manuel I doará ao seu primo D. Jorge (filho bastardo de D. João II e de Ana de Mendonça, Senhor da Vila de Aveiro e Duque de Coimbra) várias terras, entre as quais Condeixa-a-Nova, com o seu termo e limite. O mesmo monarca concederia foral à povoação em 1514, ano em que Condeixa-a-Nova, é também elevada a julgado.

CONIMBRIGA – ​​Condeixa-a-Nova, Portugal

Conimbriga
Conimbriga

Museu Monográfico de Conímbriga –Museu Nacional

Museu Monográfico de Conímbriga –Museu Nacional

Exposição Permanente

O Museu Monográfico de Conímbriga é didicado à interpretação das ruínas da cidade romana. O museu alberga várias coleções, que ilustram a evolução histórica do lugar, entre finais do 2º milénio antes de Cristo, e o século VI da Era Cristã. Monumento Nacional desde 1910, Conímbriga é o sítio arqueológico mais notável da época Romana existente em Portugal, e também o mais visitado.

Implantado num planalto protegido por defesas naturais, o núcleo urbano que deu origem a Conímbriga desenvolveu-se a partir do Bronze Final (século IX a.C.). No século II a.C. o povoado foi conquistado pelos Romanos, alcançando a sua época de maior esplendor durante os primeiros séculos da nossa era.

Afetada pela profunda crise político-administrativa dos últimos séculos do Império, Conímbriga sofreu as consequências das invasões bárbaras. Em 465 e 468, os Suevos tomaram e saquearam parcialmente a cidade, acentuando a decadência da vida urbana, que prosseguiu até ao abandono definitivo do lugar, em plena época Medieval.

A maior parte das ruínas escavadas data da época Romana. O visitante pode contemplar os vestígios de numerosos edifícios e construções de natureza pública e privada, como o fórum, edifícios termais, o aqueduto, o anfiteatro, edifícios comerciais e industriais, assim como luxuosas residências privadas, entre as quais se destaca a magnífica Casa dos Repuxos, conhecida pelos jogos de água no centro do peristilo ajardinado, e pelos belos pavimentos de mosaicos geométricos e figurativos, e pelos seus revestimentos com estuques moldados e pintados.

Fundado em 1962, o Museu Monográfico de Conímbriga é uma entidade dependente do Instituto dos Museus e da Conservação, cabendo-lhe a missão da gestão das ruínas da cidade romana, promover a sua exposição pública e prosseguir a investigação arqueológica sobre o sítio. A exposição permanente inclui unicamente objetos provenientes da escavação de Conímbriga, e está distribuída em dois blocos. No primeiro expõem-se várias centenas de objetos, que relatam, nas suas múltiplas facetas, a vivência quotidiana dos habitantes da cidade romana (uso da moeda, atividades industriais e comerciais, lazer…); o segundo distribui-se por três salas, dedicadas à arquitetura pública, à arquitetura privada e aos cultos religiosos.

Conímbriga
3150-220 Condeixa-a-Velha

Coordenadas GPS:
Latitude 40.0983494
Longitude -8.4924453

http://www.conimbriga.gov.pt
Telefone: +351 239 941 177
infogeral@conimbriga.pt

Horários

  • De 2ªfeira a domingo, das 10h às 19h
  • Encerra: 1 de janeiro, domingo de Páscoa, e de maio e 25 de dezembro.
  • Tutela: Direção Geral do Património Cultural

Ruínas Romanas de Conímbriga – Museu Nacional

Ruínas Romanas de Conímbriga - Museu Nacional

O sítio de Conimbriga, que teria habitado desde o Neolítico, tem presença humana segura no Calcolítico e na Idade do Bronze, épocas originárias dos testemunhos mais antigos que até nós chegaram. É certo que os Celtas aqui estiveram: os topónimos terminados em “briga” são testemunho claro dessa presença. Conimbriga era, portanto, um castro, quando os Romanos em 138 a.C. aqui chegaram e se apoderaram do oppidum.

O conjunto das Ruínas de Conimbriga, do Museu Monográfico construído na sua proximidade, e do castellum de Alcabideque, conforma um complexo arqueológico de peso, que permite reconstituir uma célula importante do grandioso Império Romano. Juntamente com Mirobriga (Santiago do Cacém) e Tongobriga (Freixo, Marco de Canaveses), Conimbriga constitui um dos vértices do grande triângulo dos vestígios da presença romana em Portugal. A imponência e o pragmatismo da arquitetura romana estão bem representados em Conimbriga, assim como a superioridade da sua ação civilizadora, patente nos mais diversos pormenores do quotidiano. Embora, conforme atrás se refere, tivesse sido habitada desde tempos muito recuados, a fundação de Conimbriga e a maioria das construções que aqui se encontram remonta-se à era do Imperador Augusto (séculos I a.C. – I d.C.).

Iniciadas em 1928, as escavações arqueológicas foram pondo a descoberto uma parte muito significativa do traçado desta cidade, possibilitando ao visitante das Ruínas apreciar a sua planificação urbanística laboriosa, e atenta a todas as necessidades: o fórum, o aqueduto, os bairros de comércio, indústria e habitação, uma estalagem, várias termas, o anfiteatro, as muralhas para delimintação e defesa da cidade. Deste conjunto sobressai um bairro de ricas casas senhoriais, que se opõe diametralmente às insulae da plebe, pela complexidade da sua construção e pelo seu requinte decorativo – com destaque para a “Casa dos Repuxos”, com um grande peristilo ajardinado e pavimentada com mosaicos policromos, preservados in situ, exibindo motivos mitológicos, geométricos, ou representando, muito simplesmente, cenas do quotidiano.

Conímbriga
3150-220 Condeixa-a-Velha

Coordenadas GPS:
Latitude 40.0983494
Longitude-8.4924453

http://www.conimbriga.gov.pt
Telefone: +351 239 941 177
infogeral@conimbriga.pt

Horários

  • De 2ªfeira a domingo, das 10h às 19h
  • Encerra: 1 de janeiro, domingo de Páscoa, e de maio e 25 de dezembro.
  • Tutela: Direção Geral do Património Cultural

PO.RO.S – Museu Multimédia Portugal Romano em Sicó – Museu Municipal

PO.RO.S - Museu Multimédia Portugal Romano em Sicó - Museu Municipal

Exposição Permanente

Há cerca de 2000 anos os romanos chegaram às Terras de Sicó. No limite do Império, Conímbriga tornou-se num centro verdadeiramente romanizado.

O PO.RO.S – Museu Portugal Romano em Sicó proporciona uma viagem pela presença romana nas Terras de Sicó, e permite conhecer melhor o encontro entre culturas que moldou a história do território. A tecnologia estimula os sentidos, e dá à exposição um caráter vivo e dinâmico, capaz de aliar conhecimento e entretenimento, contribuindo assim para a salvaguarda e divulgação da memória histórica da romanização. O PO.RO.S é um espaço atrativo e inovador, que nos transporta numa aventura pela história da romanização e do seu legado, que perdura até aos nossos dias.

Quinta da São Tomé, Avª. Dos Bombeiros Voluntários
3150-160 Condeixa-a-Nova

Coordenadas GPS:
Latitude 40.1118871
Longitude -8.4937507

www.poros.pt
Telefone: +351 239 949 122
info@poros.pt


Facebook

Horários

Período de Verão

  • Abril a Setembro: de terça a domingo 10.00 – 19.00h

Período de Inverno

  • Outubro a Março: de terça-feira a domingo 10.00 – 18.00h.

Dirétorio

Centro Cívico de Condeixa-a-Nova
Praça do Município
3150-113 Condeixa-a-Nova

Coodernadas GPS:
Latitude 40.1128824
Longitude -8.5007905

www.cm-condeixa.pt 
Telefone: +351 239 940 143
turismo@cm-condeixa.pt

Horário

  • Dias Úteis: 10h00 – 13h00 | 14h00 – 18h00
  • Sábado e domingo: 10h00 – 17h00

LOCALIZAÇÃO

O concelho de Condeixa-a-Nova fica situado na faixa litoral dá região centro, distando sensivelmente 200 km, a norte, de Lisboa, 120 km, a sul, do Porto e somente 10 km da cidade de Coimbra, núcleo urbano primeiro da região centro. Confronta com os concelhos de Coimbra, a norte; a leste com os de Miranda do Corvo e Penela; a sul, ainda com Penela e com o concelho de Soure; e a oeste também com Soure e Montemor-o-Velho.

De um modo global, o concelho beneficia de uma acessibilidade privilegiada. A A1, autoestrada Lisboa-Porto, passa às portas de Condeixa, e tem um nó muito próximo da sede do concelho. A N347 assegura boas ligações com Penela, e uma nova via portajada, a A13-1, conecta Condeixa com Tomar (a sul), Coimbra (a norte), e Miranda do Corvo e a Lousã.

Pela estrada nacional, ou apanhando a A14 a norte de Coimbra, a Figueira da Foz e as suas praias encontram-se a uma distância relativamente pequena. O mesmo se pode dizer da Serra da Lousã, com as suas aldeias de xisto, e as suas magníficas matas e paisagens, acessível pela vila homónima e por Miranda do Corvo (N342 ou A13-1) ou através da Penela, Espinhal e Castanheira de Pera (N347).

As linhas de comboio do norte e do oeste também se encontram a uma distância curta, com interligação na estação de Coimbra.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Close Menu

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies ACEPTAR

Aviso de cookies